• Bruno Toscano

Por que alguns leilões são anulados?

Em regra, assinado o auto de arrematação pelo juiz, pelo arrematante e pelo leiloeiro, a arrematação será considerada perfeita, acabada e irretratável.


No entanto, a arrematação poderá ser invalidada, considerada ineficaz ou resolvida. Em outras palavras, o leilão poderá ser anulado.


Sendo assim, vamos citar e explicar a seguir as hipóteses mais comuns que ocasionam a anulação de um leilão.


I – NÃO PAGAMENTO DO VALOR DO LANCE


Vamos começar por aquele que ocorre com maior frequência, que é quando o arrematante não efetua o pagamento do valor do lance por ele ofertado.


Após o encerramento de um leilão, a parte cujo lance foi o vencedor tem o prazo de 24 horas para efetuar o pagamento do valor da arrematação, bem como do valor da comissão da empresa Gestora, que geralmente é de 5% sobre o valor do lance.

No entanto, muitas vezes o arrematante desiste ou não respeita o prazo estipulado para pagamento, deixando de cumprir com a sua obrigação.


Nesses casos, embora o leilão tenha sido positivo e o bem, seja ele móvel ou imóvel, arrematado, após decorrido o prazo limite, a empresa responsável por realizar o praceamento precisa notificar o juízo a respeito do não pagamento por parte do arrematante.


Desse modo, diante da falta de pagamento, o Juiz determinará a anulação do leilão para que, posteriormente, sejam designadas novas datas para outra tentativa de alienação do bem.


Importante ressaltar que o não pagamento do lance pode acarretar algumas sanções e medidas legais a serem aplicadas pelo Juiz (como por exemplo: a proibição de participar novamente de leilões judiciais), tendo em vista que os lances são irretratáveis e irrevogáveis.


II – PREÇO VIL


Outra hipótese, é a anulação do leilão por conta do chamado “Preço Vil”.

De acordo com o Código de Processo Civil, considera-se “vil” o preço inferior ao mínimo estipulado pelo juiz e constante do edital. E, caso não tenha sido fixado um preço mínimo, considera-se vil aquele inferior a 50% do valor da avaliação.


Para não sobrevir tal hipótese, esta Gestora observa atentamente se há percentual fixado pelo juízo e procede com cautela para dispor esta informação corretamente no edital e no site.


III - EXISTÊNCIA DE ÔNUS REAL OU GRAVAME NÃO MENCIONADO NO EDITAL


O papel da Gestora é fundamental para que todo o procedimento do leilão ocorra sem vícios, devendo ser cumprido todos os requisitos legais, a fim de se evitar qualquer nulidade que possa vir a prejudicar o leilão e o deslinde do processo.


Um dos procedimentos obrigatórios realizado pela Gestora é a confecção do edital do leilão, que deve conter, dentre outras informações, a menção da existência de ônus, recurso ou processo pendente sobre os bens a serem leiloados.


Ônus reais e gravames limitam a fruição e a disposição da propriedade, sendo recomendável, portanto, que o interessado em arrematar um bem em leilão judicial esteja ciente sobre eventuais restrições pendentes sobre o bem.


Deste modo, para não ocorrer a anulação do leilão por este vício, realizamos detalhada análise técnica/processual dos casos e da documentação do bem, disponibilizando tal informação aos interessados.

IV – BEM MÓVEL NÃO ENCONTRADO OU ENCONTRADO EM OUTRO ESTADO DE CONSERVAÇÃO


A penhora de um bem móvel é realizada mediante auto ou termo, contendo, dentre outras informações, a descrição do bem penhorado, com as suas características, e a nomeação do depositário. Este assume a responsabilidade pela guarda e conservação, no mesmo estado em que o recebeu.


Com isso, após a arrematação, caso o bem não seja encontrado ou estiver em estado diverso do descrito no auto/termo de penhora, o arrematante poderá formular um pedido ao juízo requerendo a desistência da arrematação.


Em consequência, tornada sem efeito a arrematação, será expedido mandado de levantamento em favor do arrematante, referente ao valor do lance ofertado, bem como a Gestora será intimada para devolução da comissão do leiloeiro e comprovação nos autos.



Desse modo, vale ressaltar que estas são apenas algumas hipóteses que podem acarretar a anulação de um leilão, lembrando que, embora não aconteçam com frequência, existem outras situações previstas no Código de Processo Civil.


Sendo assim, caso um leilão de seu interesse seja anulado, é sempre bom continuar acompanhando, pois assim que sanada a causa que gerou sua anulação, é muito provável que este volte a ser objeto de alienação.

Conte com a equipe da D1 para auxiliá-lo em todas as etapas da arrematação.

contato@d1lance.com

+55 11 3101 9851

+55 11 3101 9851 (Whatsapp)

0 visualização

O Blog D1LANCE tem como objetivo elucidar suas dúvidas sobre como participar de leilões de forma segura, transparante e ágil. Criaremos conteúdos exclusivos com dicas, informações, passo-a-passos e as novidades sobre o mercado de leilões.

TUDO SOBRE LEILÕES JUDICIAIS

Blog D1LANCE
Logo D1LANCE
  • Instagram
  • Facebook
  • Dúvidas e Sugestões - Blog D1LANCE L
oport2.png

Site homologado pelo

Tribunal de Justiça de SP

Endereço

Av. Paulista, 1274, 21º andar

São Paulo, SP, 01310-100

Leiloeiros Oficial

José Roberto Neves Amorim - JUCESP 1106

Dannae Vieira Avila - JUCESP 941

Central de Atendimento 
      (11) 3101-9851  

      (11) 3101-9851

Receba os leilões

em seu e-mail!

CLIQUE AQUI para se cadastrar em nossa lista e receber as melhores oportunidades aonde estiver. De quebra você receba a Cartilha do Arrematante com dicas importantes para arrematar com segurança.

Todos os direitos reservados. ® 2014 - 2019 D1LANCE.com Leilões CNPJ: 19.962.222/0001-13

-